Saúde & Você

20/05/2015
DISTÚRBIOS DE MOVIMENTO: O QUE SÃO DISTONIAS?

Dra. Maria Tereza de Moraes Souza Nascimento
Neurologista – Neurofisiologista Clínica
CRM-PR 23.576

O que são distonias?
Distonias são distúrbios dos movimentos, em que determinadas partes do corpo começam a apresentar movimentos anormais, involuntários, sempre com as mesmas características e nas mesmas regiões do corpo.
As distonias podem afetar qualquer grupamento muscular, e se manifestam porque há uma incoordenação entre os músculos que auxiliam e aqueles que se opõem aos movimentos, gerando posturas e movimentos desarmônicos.


Quais os tipos de distonias?
As distonias podem ser focais (afetando apenas um local), segmentares (afetando todo um segmento – por exemplo, o braço, a face, etc) ou generalizadas (quando afetam todo o corpo). A gravidade depende da extensão dos movimentos anormais e da idade em que eles aparecem. Existem algumas doenças neurológicas que apresentam distonias associadas a outros s sintomas, e devem ser investigadas sempre junto ao um Neurologista


São exemplos de distonias:
Blefaroespasmo: transtorno dos movimentos das pálpebras, os olhos se fecham e é difícil para o paciente mantê-los abertos, chegando a um ponto em que o paciente é incapaz de abrir espontaneamente os olhos (cegueira funcional). A contração dos músculos das pálpebras leva a uma aparência de “piscar sem parar”, e estes sintomas se acentuam quando o paciente se expõe a forte luminosidade.


Espasmo Hemifacial: é um distúrbio do movimento em que os músculos da metade da face do paciente se contraem involuntariamente e de forma rítmica. Geralmente está associado a alças vasculares ao redor do nervo facial.


Distonia cervical: transtorno do movimento em que o paciente apresenta rotação cãoeralização, extensão ou rotação involuntária do pescoço. Estes movimentos anormais geram dores e desconforto, interferindo nas atividades diárias do paciente.


Distonia oromandibular: movimentos involuntários que afetam a capacidade de mastigar, engolir e até mesmo prejudicam a articulação da fala. Geralmente, envolve os músculos da mastigação.


Distonia tarefa-específicas: algumas distonias estão relacionadas ao trabalho. Músicos, pacientes que trabalham escrevendo bastante, etc, podem apresentar dificuldades com as mãos, que assumem posturas anormais sempre que o indivíduo vai iniciar uma determinada tarefa. A distonia tarefa-específica mais comum é a chamada “Cãibra do escrivão”.

O que fazer?
Se você tem algum destes sintomas, ou tem um familiar que os apresente, é recomendável que você procure um Neurologista. É este profissional quem vai lhe indicar o tratamento e investigar as causas, conseqüências e doenças associadas.

Existe cura ou tratamento?
Dependendo da causa, extensão e padrão da distonia, existem drogas disponíveis para tratamento, sendo que uma das mais efetivas é a utilização de injeções de toxina botulínica nos músculos afetados.
Procure um Neurologista e se informe: o seu problema começa a ter solução a partir de quando é diagnosticado corretamente!


20/05/2015
TERCEIROVENTRICULOSTOMIA ENDOSCÓPICA

A Terceiroventriculocisternostomia Endoscópica é a melhor indicação para estenose de aqueduto cerebral (hidrocefalia obstrutiva). Com anestesia geral fazemos uma craniotomia minimamente invasiva, preferentemente do lado direito. Introduzimos o endoscópio rígido grau zero de 2,4 mm de diâmetro com 18 cm de comprimento em direção ao ventrículo lateral, orientado através do neuronavegador. Após visualização do forame de Monro, identicamos o assoalho do terceiro ventrículo, que nos mostrará os corpos mamilares e o tuber cinerium, onde faremos a perfuração de aproximadamente 5 mm de diâmetro com auxílio de um cateter Fogarty 4. Após irrigação contínua retiramos o endoscópio e fechamos a ferida operatória por planos.



Este método também é usado para tumores, cistos, infartos, hidrocefaleia de pressão normal e malformações que causam hidrocefalia obstrutiva.

Dr. Sonival Cândido Hunhevicz - Chefe do Serviço de Neuroendoscopia do INC


20/05/2015
HIDROCEFALIA DE PRESSÃO NORMAL

ACESSE O BLOG: http://inc-hpn.blogspot.com.br PARA MAIS INFORMAÇÕES.

Dr. Ricardo Krause Martinez de Souza
Coordenador do Ambulatório de Demências do INC-ADEMEC.


20/05/2015
MIASTENIA GRAVIS

Dra. Maria Tereza de Moraes Souza Nascimento
Neurologista- Neurofisiologista
CRM-PR 23.576

O que é Miastenia Gravis? Quais os sintomas mais comuns?
Miastenia Gravis é uma doença auto-imune, que pela produção de anticorpos específicos, dificultam a comunicação normal dos nervos com os músculos. Desta forma, o indivíduo apresenta cansaço, fadiga, visão dupla, pálpebra caída geralmente de um só lado do rosto e fraqueza, que pode ser local ou generalizada.
Os sintomas vão se acentuando com o decorrer do dia, sendo que ficam mais intensos ao final da tarde, e nos dias quentes. Também se acentuam na época menstrual nas mulheres.


Quais as pessoas mais afetadas pela Miastenia Gravis?
A miastenia gravis pode afetar pessoas de qualquer idade, homens e mulheres. Pode comprometer apenas a musculatura dos olhos, como também ser generalizada e comprometer outros músculos do corpo, como os da mastigação e da respiração. Geralmente, os sintomas aparecem ao longo de meses ou até mesmo anos. No entanto, quando o paciente apresenta uma instalação dos sintomas e piora muito rápidas, chamamos este quadro de Crise Miastênica. Ela é uma emergência médica, que exige internação e tratamento adequados.


Como se faz o diagnóstico e o tratamento da doença?
O diagnóstico da Miastenia Gravis é relizado através dos achados clínicos, exame Neurológico, exames de sangue específicos e eletroneuromiografia (pela técnica de Estudos de Estimulação Repetitiva). O teste do gelo (colocar um cubo de gelo em contato com a pálpebra caída e aguardar por 1 minuto) também é um instrumento clínico simples, que pode ser utilizado à beira do leito. O tratamento depende das características do paciente, do grau de acometimento, dos níveis de anticorpos circulantes no sangue e também da presença ou não doenças associadas. Na maioria das vezes, é baseado no uso de imunossupressores, como corticosteróides e outros.


Se você tem algum dos sintomas de Miastenia Gravis, procure um Neurologista. Ele irá lhe orientar, examinar adequadamente e conduzir seu tratamento, caso necessário seja, para que você tenha uma vida normal e a doença tenha um controle adequado.


20/05/2015
ENTENDENDO O DOPPLER TRANSCRANIANO

Em 1846, Christian Andreas Doppler, matemático, nascido em Salzburg, concluiu a sua teoria sobre a propagação de ondas sonoras e suas alterações de acordo com o movimento do observador ou da fonte emissora. De acordo com Doppler, a onda sonora sofreria uma mudança em sua freqüência conforme sua fonte emissora se aproximasse ou se distanciasse do observador. Ele observou a mudança na freqüência do som emitido músicos localizados dentro de um trem em movimento. Conforme o trem se aproximava da estação, o som produzido por se tornava mais agudo e, conforme se afastava, ficava mais grave.

“Característica observada nas ondas quando emitidas ou refletidas por um objeto que está em movimento com relação ao observador”. Obs. Em ondas eletromagnéticas – efeito Fizeau (Hippolyte Fizeau, 1848).

O efeito doppler permite medir a velocidade de objetos através da reflexão de ondas emitidas pelo próprio equipamento de medição. O assim denominado efeito Doppler foi descrito há mais de 150 anos; entretanto, seu emprego clínico somente aconteceu no final da década de 70. Nesta época, surgiram os primeiros equipamentos capazes de avaliar o fluxo sanguíneo nas principais artérias e veias do corpo humano. O crânio representava, até então, uma barreira para as ondas ultrassônicas.

Em 1982, Aaslid descreveu o Doppler Transcraniano (DTC), uma técnica que permite obter informações sobre direção e velocidade de fluxo sangüíneo nos principais vasos cerebrais.

Após, inúmeras técnicas, variantes da original, foram descritas. Inicialmente, era possível apenas aferir a velocidade do fluxo sangüíneo dos vasos, sem visualizá-los diretamente. A maior dificuldade permaneceu sendo a perda de energia ao se transpor o crânio com ondas sônicas.

No DTC, a partícula refletora da onda é representada pelas células sanguíneas dos vasos encefálicos. O observador, pela sonda que emite e (ao mesmo tempo) capta a onda sônica ao ser refletida. Uma sonda aplicada ao crânio emite ondas ultrassônicas (2 mHz) que atravessam o crânio e são refletidas pelas células sangüíneas de volta à sonda. Um software acoplado à sonda é capaz de calcular parâmetros hemodinâmicos como:

- velocidade sistólica (VS)

- velocidade diastólica (VD)

- velocidade média (VM)

- índice de pulsatilidade - Gosling (VS-VD/VM)

- índice de resistência - Pourcelot (VS-VD/VS)

Estes dados são apresentados na tela do computador e são acompanhados de uma análise espectral do fluxo no vaso insonado.

Os principais pontos de insonação no DTC são as chamadas janelas ósseas ou janelas acústicas, áreas do crânio em que há uma maior facilidade de penetração da onda sônica. Pela janela transtemporal podem ser insonadas as artérias cerebral anterior (ACA), cerebral média (ACM) e cerebral posterior (ACP). Utilizando-se a janela suboccipital, podem ser estudadas as artérias vertebrais e basilar. Através da janela orbital, podem ser observadas as artérias oftálmicas e carótidas internas.

Em 10% dos casos, não é possível um estudo adequado dos vasos intracranianos, devido a uma janela óssea inadequada. Isso acontece sobretudo em idosos, mulheres e negros (calota craniana mais espessa, dificultando a penetração da onda sônica).

Existem três principais fontes de informações para identificação das artérias:Informação da profundidade e o ângulo da sonda; a direção do fluxo sanguíneo, e a resposta do sinal a manobras de compressão ou vibração.

O DTC é um método altamente dependente do examinador. Uma insonação inadequada pode trazer resultados pouco confiáveis.

Como vantagens do DTC, destacam-se:

- Baixo custo;

- Não envolve radiação ionizante;

- É portátil e não invasivo;

- Permite uma rápida e até mesmo constante avaliação da hemodinâmica cerebral;

- Permite avaliar, em tempo real, mudanças no fluxo sangüíneo cerebral decorrentes de alterações na pCO2 (hiper ou hipopnéia) ou de infusão de drogas vasoativas.

Este método vem se tornando um exame importante na prática clínica, principalmente no auxílio ao médico interessado em doenças vasculares encefálicas.

Conforme publicação recente da Academia Americana de Neurologia (Neurology 2004;62:1468), o DTC foi estabelecido como útil nos seguintes tópicos:

- Identificação do risco de AVC isquêmico em crianças com anemia falciforme entre 2 e 16 anos;

- Detecção e monitoração de vasoespasmo após hemorragia subaracnóidea espontânea;

- Detecção de parada circulatória encefálica como exame complementar no diagnóstico de morte encefálica;

- Investigação de shunt direita-esquerda (FOP), quando utilizado com agente contrastante;

- Detecção de oclusão/estenose intracraniana;

- Estudo de vasoreatividade cerebral;

- Monitoração de trombólise cerebral no AVC agudo;

- Monitoração de procedimentos como endarterectomia carotídea e revascularização do miocárdio;

- Detecção de sinais de microembolia cerebral;

- Detecção e monitoração de vasoespasmo após hemorragia subaracnóidea traumática.


Registros 1 até 5 de 5

[1]

 

Localização Facebook - INC

 

Responsável Técnico: Dr André Giacomelli Leal | CRM 21874

INC - INSTITUTO DE NEUROLOGIA DE CURITIBA
R. Jeremias Maciel Perretto, 300 - Ecoville - Curitiba - PR
Fone/Fax: (41) 3028-8545 - e-mail: ouvidoria@inc-neuro.com.br

copyright © INC - Todos os direitos reservados

hidea.com